Servidores municipais terão reajuste de 5,3% a partir de novembro

Servidores pleiteavam reajuste de 8,48%, proporcional aos índices de perdas salariais entre 2019 e 2020

Foi com base na lei federal 173/20 que a Prefeitura rejeitou grande parte das 22 cláusulas do Acordo Coletivo 2021/2022.

Em contrapartida, no final da tarde de terça-feira, 18, horas antes da assembleia geral extraordinária que aprovaria ou não o acordo, a Prefeitura apresentou contrapropostas: reajuste salarial de 5,3% e vale-alimentação de R$ 530, ambos a partir de novembro deste ano.

O acordo foi aprovado por unanimidade em assembleia realizada na noite de terça, na sede do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Poços de Caldas (Sindserv).

continua depois da publicidade



PLEITO
Servidores pleiteavam reajuste de 8,48% (proporcional aos índices de perdas salariais entre 2019 e 2020) e vale-alimentação de R$ 750 (atualmente o vale é de R$ 485).

A justificativa da Prefeitura para as negativas é a Lei Complementar nº 173, de maio de 2020, que estabelece o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus SARS-CoV-2 (Covid-19), e veta qualquer possibilidade de conceder aumento salarial.

“A Prefeitura não pode aprovar cláusulas que envolvem aumento salarial. Tivemos muitas cláusulas negadas justamente por este momento que o Brasil está passando com a pandemia da Covid-19. A assembleia aprovou de forma unânime os ganhos por entender o momento que o país vem enfrentando”, disse Marieta Carneiro, presidenta do Sindserv.

ASSÉDIO MORAL

Outra cláusula aprovada prevê a criação de plano de combate ao assédio moral, através de comissão paritária entre membros da administração pública e do sindicato.

Marieta lembra que todas as cláusulas que não foram aprovadas este ano podem voltar para a pauta nas próximas negociações, a expectativa é poder avançar ainda mais caso a lei 173/20 não seja prorrogada. O Acordo Coletivo contempla Autarquia Municipal de Ensino, DMAE, Prefeitura e Jardim Botânico.