Nós, identidade e polarização política

“Nós” é estrelado por Lupita Nyong´o e dirigido por Jordan Peele

O filme “Nós”, dirigido por Jordan Peele e estrelado por Lupita Nyong´o, estreou recentemente no Brasil e, por meio do enredo, propõe reflexões sobre diversos assuntos, entre os quais se destaca a questão da identidade.

Além dos aspectos antropológico e sociológico evidentes, é possível analisar os efeitos que a questão identitária produz no âmbito político. A noção de identidade, como sabido, baseia-se na ideia de distinção. Para afirmar determinada identidade, é necessário apontar algo que distinga determinado elemento humano de outro. Nesse sentido, tal operação pode ser feita entre indivíduos ou entre grupos.

É o que ocorre na película referida, que explora o tema do duplo a partir dos espectros de uma família. A identidade individual pode ser observada tanto sob o ponto de vista interno quanto externo. No primeiro caso, permite o exame da dicotomia bem/mal, presente em qualquer ser humano, como demonstrado na obra. Os espectros, que representam o aspecto negativo das pessoas, podem ser entendidos como a parte não assumida socialmente de qualquer personalidade.

Já o aspecto externo identitário pode ser pensado sob o prisma que induz à diferenciação dos indivíduos na chave eu/outro. Ainda que fundamental, tal fato, levado ao extremo no campo político, pode ensejar comportamento discriminatório, vislumbrando na alteridade um fator necessariamente negativo (o mesmo que fundamentou a célebre afirmação de que “o inferno são os outros”).

No filme, as sombras vivem no subterrâneo, experimentando situações negativas, diversamente do duplo que vive na superfície. A identidade coletiva, por sua vez, quando equivocadamente compreendida, pode ocasionar efeitos deletérios ao convívio social. De certo modo, pode induzir à perda do senso de coletividade mais ampla, pois cada grupo que compõe uma comunidade enxerga no fator que o une algo mais relevante que o elemento que o vincula ao restante da comunidade.

É o que ocorre na relação entre as chamadas minorias com o restante da sociedade. Como resposta às dores sofridas, o grupo contrapõe-se ao todo, fazendo com que seja perdida a visão da coletividade. Em termos políticos, percebe-se tal situação pela visão fragmentária em boa parte das medidas propostas ou adotadas pelo poder público. A rebelião dos espectros observada em “Nós” materializa o rancor da parcela da sociedade que não desfruta de condições dignas de existência, produto da desigualdade injustificada e criador de visão sectária de mundo.

A desconsideração do outro, ou seja, da parte complementar de cada indivíduo ou da comunidade, pode inviabilizar, respectivamente, a evolução pessoal e social, situação agravada pela polarização política extremada que tem dominado o Brasil nos últimos anos. Se isso não for considerado, o indivíduo corre o risco de transformar-se em sua própria sombra e os integrantes da sociedade, assim como os espectros do filme, tendem a ser incapazes de comunicação e de qualquer forma de diálogo, emitindo meros sons guturais.

Em tal panorama, infelizmente, a violência individual e coletiva surge como consectário previsível e o versículo bíblico citado na obra de Jordan Peele (Jermias 11:11) toma a forma de uma profecia facilmente realizável.


Faça uma assinatura trimestral digital do Jornal da Cidade por apenas R$ 30 e ganhe 2 ingressos para qualquer sessão no Centerplex Cinemas. Pague por Paypal: e rápido, fácil e seguro!

Compre a edição digital do dia por apenas R$ 1! Pague por Paypal: e rápido, fácil e seguro!